Uma professora de pilates de Belo Horizonte virou alvo de críticas nas redes sociais, aπós fazer postagens homofóbicas no Twitter. As mensagens foram publicadas na segunda-feira (31) e viralizam pela web nesta quarta (2).

Em um dos posts, a mulher, disse que a partir desta terça (1º) já estaria liberado “matar viado”. Em outra, afirmou ter dúvida sobre quando seria possível “matar viado”: “a partir de meia noite ou a partir da posse”, escreveu.

Os posts da instrutora começaram a ser compartilhados rapidamente. Além do Twitter, o assunto também foi parar no Facebook, onde internautas demonstram indignação e revolta com as mensagens. Com a repercussão negativa, a mulher teria mudado o usuário dela na rede social e fechado as publicações. No Facebook, ainda é possível encontrar o perfil dela. A foto que estampa a capa, atualizada em outubro, traz o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em destaque.

Apesar disso, internautas vasculharam a vida da belo-horizontina, que teve dados pessoais divulgados na internet. Alguns sugeriram boicotar uma clínica que aparece entre os locais de trabalho da mulher. O estabelecimento Axis Fisioterapia, localizado na Savassi, negou em conversa com o site BHAZ que ela já tenha feito parte da equipe em algum momento.

A mulher em questão aparece como sócia de uma empresa com nome semelhante, a Studio Axis Pilates LTDA. Segundo o site da Receita Federal, a empresa foi encerrada em novembro de 2017. Um terceiro estúdio, com nome também parecido, divulgou nesta tarde um comunicado por meio do Facebook para explicar não ter qualquer relação com a homofóbica.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!