Conheça Matthew Herrick, um garçom e ator norte-americano, que ficou muito irritado após receber visitas inesperadas de homens a procura de sexo em sua casa e em seu trabalho.

Pra você ter uma ideia do sofrimento do rapaz, ele já chegou a receber cerca de uma dúzia de caras, por dia. Sem entender o que estava acontecendo, ele descobriu que seu ex-namorado estava se passando por ele no Grindr e marcando os encontros sexuais como forma de vingança.

Munido de provas, Herrick abriu um processo contra o aplicativo de pegação. Na época do ocorrido, em 2017, ele fez cerca de 14 boletins de ocorrência. Na última semana o caso foi finalmente julgado pela justiça americana.

Os advogados do Grindr devem se defender usando de lei de 1996 que garante a liberdade de expressão on-line e que protege as empresas de qualquer responsabilidade. Porém, segundo informações da NBC News, os advogados da acusação utilizarão o mesmo argumento de eletrodomésticos defeituosos e que, nestes casos, as empresas são responsabilizadas pelos danos. Dependendo o resultado do julgamento, o aplicativo pode mudar suas diretrizes de segurança.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!