O ácido glicólico é um alfa-hidroxiácido (AHA) altamente solúvel em água, encontrado na cana-de-açúcar e que faz parte da formulação de vários dermocosméticos além de ser usado em procedimentos estéticos, como o peeling químico.

Ele é um importante renovador celular, conhecido por facilitar a penetração de algumas substâncias na pele, como os ativos presentes nos cremes de tratamentos. O ácido glicólico também não é muito agressivo, podendo ser utilizado até mesmo no verão, além de auxiliar na formação de colágeno.

Benefícios do peeling com ácido glicólico para a pele

Quando em preparações para peelings, sua concentração é maior assim como o seu pH é mais baixo. Nesse caso, o procedimento proporciona uma série de benefícios à pele, como:

  • Ação antienvelhecimento;
  • Aumenta a hidratação;
  • Auxilia na melhora da textura da pele;
  • Ameniza a aparência dos poros;
  • Ajuda no clareamento da pele;
  • Auxilia na formação de colágeno;
  • Melhora a elasticidade da epiderme;
  • Tem ação anti-inflamatória devido ao seu poder esfoliante.
  • Promove luminosidade e elimina a aparência de pele envelhecida devido à sua ação renovadora.

No corpo todo

O peeling de ácido glicólico pode ser realizado no rosto e nas regiões adjacentes, como colo e pescoço, para melhora de textura e clareamento de manchas. Tem indicações também em áreas corporais para tratamento de estrias e até na região do dorso para melhorar a aparência de cicatrizes escuras de acne.

Uma indicação interessante desse ativo em peeling é utilizar nas áreas laterais de braços e pernas para melhora de uma patologia chamada queratose pilar (que são aquelas bolinhas vermelhas que muita gente se incomoda).

Em quais tratamentos de doenças esse procedimento é indicado?

Segundo os dermatologistas, o peeling pode ser indicado para o tratamento de manchas na pele, como o melasma, oleosidade excessiva, fotodano, queratose pilar, acne, cicatrizes, estrias e, dependendo da indicação, até para amenizar o quadro de rosácea.

Em quais casos o procedimento é contraindicado?

Apesar de o ácido glicólico ser um ativo seguro, em alguns pacientes ele pode apresentar efeitos adversos como eritema, ardência, pinicação excessiva em caso de sensibilidade. Desse modo, é interessante que o paciente se oriente com um dermatologista quando desejar fazer esse procedimento.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!