Por mais guerreiro que você seja, não tem como abrir mão do famoso lubrificante na hora do sexo. Eu realmente não sei qual a modalidade que você mais curte, mas o fato é que sem aquela lambuzada boa, a metelância anal ou vaginal nunca é 100% confortável nem pra quem está penetrando e muito menos pra quem está sendo penetrado. Dói mesmo!

Mas e se o tesão bater num local desconhecido e KY não tiver disponível? Que desespero, não é? Dá uma bela cuspida que resolve?

Bom, isso já aconteceu comigo, com você e com o a próxima pessoa que ler esse artigo. É natural que às vezes você acabe buscando por substitutos quando percebe que o produto não está à mão na hora H. Tenho um amigo que, certa vez, foi provocar um mecânico e acabou sendo enrabado com óleo Bardahl. Saiu de lá arregaçado e com o a bunda toda preta. Um perigo.

Agora, alguns especialistas garantem que você deveria pensar duas vezes antes de usar qualquer opção diferente ao lubrificante. “Mesmo substâncias escorregadias aparentemente inofensivas podem conter alérgenos, deteriorar sua pele ou interferir com a eficácia dos preservativos”, diz Maureen Whelihan, ginecologista e obstetra do Center for Sexual Health and Education (EUA).

[relacionados

Ficou apavorado? Calma! Abaixo você confere uma lista detalhada de substitutos de lubrificante “naturais” que você deve evitar.

1 – Óleo de bebê

“Não só pode anular a eficácia de um preservativo, mas usar óleo de bebê em sua vagina pode aumentar o risco de desenvolver uma infecção por fungos”, aponta Streicher. Um estudo publicado na revista Obstetrics and Gynecology, inclusive, descobriu uma ligação entre o uso intravaginal de óleo de bebê e a colonização de espécies de Candida, o que pode levar a uma infecção por fungos.

2 – Gordura vegetal

Uma vez que este produto de cozinha é à base de óleo, ele não é compatível com preservativo. “Além disso, é um lubrificante terrível”, diz Lauren Streicher, professora associada de obstetrícia clínica e ginecologia da Northwestern University Feinberg School of Medicine (EUA). “Não é tão escorregadio assim. Para a maioria das mulheres não é eficaz”, diz ela. E como não foi especificamente formulado para uso vaginal, há sempre uma chance de irritar sua vagina.

3 – Saliva

Está lá e está molhada, então faz sentido que você considere usá-la como lubrificante. Contudo, Streicher explica que ela não é escorregadia o suficiente para ser um lubrificante eficaz. Então você está apenas perdendo seu tempo (e saliva).

“Além disso, o cuspe facilita a transmissão de DSTs e pode introduzir uma infecção em sua vagina, assim como o sexo oral desprotegido”, ressalta Jason James, diretor médico do FemCare Ob-Gyn, de Miami (EUA).

4 – Vaselina

“Parece lubrificante, mas produtos à base de petróleo podem levar à infecção”, diz Whelihan. Um estudo publicado na revista Obstetrics and Gynecology descobriu que mulheres que usaram vaselina como lubrificante tinham duas vezes mais chances de ter vaginose bacteriana do que as não usuárias. E, como outros lubrificantes à base de óleo, pode estourar preservativos.

5 – Loções cosméticas

“Há muitos irritantes potenciais em loções – como perfumes, por exemplo – que podem causar inchaço, inchaço e irritação geral lá embaixo”, justifica Whelihan.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!