Não há como negar que a compra do próprio carro é, para muitos, uma grande realização pessoal. Além de oferecer mais conforto e privacidade ao proprietário e sua família, a diversidade de modelos e o avanço nos equipamentos tecnológicos despertam ainda mais interesse no consumidor.

Entretanto, um dos desafios que mais afeta os motoristas é o tempo que passam no trânsito. Segundo pesquisa divulgada pelo IBOPE, o paulistano gasta, em média, um mês e meio dentro do carro, por ano. Além disso, as despesas com manutenção, reparos, gasolina e IPVA, por exemplo, assolam a população, sobretudo em um cenário de crise econômica.

Pensando nisso, o SPUrbanuss preparou uma lista com dez motivos para você adotar o transporte coletivo como meio de locomoção principal. Confira:

1. Atualmente, o preço de um carro zero-quilômetro básico é de, no mínimo, R$ 30 mil. Como boa parte da população não possui este montante para realizar o pagamento à vista é preciso recorrer ao financiamento, com juros que podem variar entre 23% e 30%, ao ano. É muito mais econômico utilizar o ônibus como meio de transporte.
2. Rodando com gasolina, um carro com motorização mais básica gasta, em média, um litro para cada 10 quilômetros de trajeto. Trabalhando a 20 quilômetros de distância de sua casa, e tendo como base o valor de R$ 4o litro do combustível, o motorista gasta R$ 80 por semana. No transporte público, considerando duas passagens diárias, o valor cai para R$ 40, totalizando uma economia de até R$ 160 por mês.
3. Não importa a intensidade de uso do veículo e nem o modelo: todos eles precisam de manutenção. A orientação das montadoras é que uma revisão preventiva seja feita a cada 05 mil quilômetros rodados. Diminuindo o uso, é possível postergar este gasto. A média de uma visita ao mecânico é de R$ 220.
4. O custo de estacionamento na cidade de São Paulo costuma ser elevado, principalmente em regiões mais movimentadas como áreas comercias ou empresariais. Este valor pode alcançar até R$ 20 por hora. Para mensalistas, o valor pode chegar a R$ 500, que poderiam ser poupados para outras finalidades, como educação.
5. Os gastos fixos com impostos também são altos. No caso do IPVA, o valor pode variar entre 1% e 4% em relação ao valor total do veículo. Além disso, é preciso desembolsar R$ 45 por ano com o DPVAT, seguro obrigatório contra roubos e acidentes.


6. Pesquisas apontam que o paulistano passa, em média, duas horas por dia no trânsito. Com os corredores instalados pela cidade, este tempo pode diminuir consideravelmente, uma vez que o trânsito da capital é intenso em diversas regiões.
7. Estar com a atenção fixa no trânsito o tempo todo, principalmente em congestionamentos, causa estresse e cansaço intensos. Utilizando o transporte público, é possível ler, estudar, assistir vídeos ou apenas descansar durante o trajeto.
8. Sobre a questão de intensidade no tráfego, o uso do transporte público diminui a quantidade de carros nas vias. Ou seja: um ônibus com capacidade para 80 passageiros pode evitar que cerca de 40 automóveis particulares sejam utilizados. Isso causa um impacto direto e positivo no trânsito da cidade.
9. Com medidas como reformas dos pontos de ônibus, pontos de iluminação e a possibilidade de mulheres e idosos poderem escolher o melhor local para desembarcar no período noturno, o transporte público vem se tornando cada vez mais seguro.
10. Utilizar o transporte coletivo também pode trazer benefícios para a saúde, uma vez que exige uma caminhada diária. Especialistas afirmam que o ser humano necessita, no mínimo, caminhar 15 minutos por dia para manter uma vida saudável.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!