Youtuber com mais de 30 milhões de inscritos, Whindersson Nunes admitiu que não gostava de homossexuais no passado, mas jurou que as coisas mudaram, durante um bate-papo com seguidores do Twitter, na quarta-feira (4).

“No passado já disse várias bostas. Eu nem gostava de gay e dizia que quem era gay não entrava no céu. E no meu casamento esse ano uma das madrinhas se chama Rafael, pra ver como as coisas mudam. Então, quem quiser procurar tweets antigos fique à vontade”, escreveu ele.

Em seguida, o youtuber desafiou os seguidores. “E para quem quiser procurar tweets antigos meus é fácil: vai na busca ali em cima [e escreva]: palavra from:whindersson. Fiquem à vontade e se deleitem no monte de lixo que eu falava.

Whindersson não citou o nome, mas as duas frases acima têm a ver com o youtuber Júlio Cocielo, que perdeu contratos publicitários após fazer um comentário racista nas redes sociais. Em seu Twitter, o influencer fez o seguinte comentário sobre o jogador Kylian Mbappé, da seleção de futebol francesa: “Mbappé conseguiria fazer um arrastão top na praia hein”.

A situação piorou ainda mais depois que internautas recuperaram tweets antigos dele, como “O Brasil seria mais lindo se não houvesse frescura com piadas racistas. Mas já que é proibido, a única solução é exterminar os negros” ou “Eu queria ter gravado um vídeo sobre o Dia da Consciência Negra, só que aí eu deixei quieto porque na cela não tem wi-fi.”

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!