Fantasias sexuais podem representar alguns de nossos desejos mais profundos. Muitas vezes, deixamos de realizá-las por medo do julgamento externo e também por tabus acerca de algumas tentações. Porém, os fetiches são expressões naturais de nosso instinto sexual, sendo comum que nós tenhamos eles.

Para reiterar o quanto fantasias sexuais são comuns, Justin Lehmiller da Universidade Ball State conduziu um estudo onde entrevistou 4,175 pessoas para saber quais eram os fetiches mais comuns entre elas. Veja os resultados a seguir:

1. Ménages e orgias

Do total, 89% dos participantes da pesquisa afirmaram que gostariam de realizar sexo a três. Quem respondeu ao questionário e era comprometido, alegou que o ménage ideal envolveria seus parceiros, o que reitera que a prática não é sobre substituir alguém que você ama na cama.

Homens héteros mostraram preferência em ter duas mulheres na cama, porém, mulheres heterossexuais afirmaram que o gênero da terceira pessoa não tinha uma grande importância, estando o sexo feminino mais aberto às possibilidades.

2. BDSM

Lehmiller afirmou que a maioria das pessoas fantasiam com o sadomasoquismo em pelo menos algum momento da transa. Em relação às mulheres, foi observado que elas preferem o masoquismo, isto é, conceder dor ao seu parceiro(a).

As manifestações mais comuns do masoquismo e do sadomasoquismo envolviam agressão, mordidas e o derramamento de cêra quente no corpo do parceiro durante a relação sexual.

Entretanto, de modo geral, as pessoas preferem receber dor ao invés de causá-la, já que 60% dos participantes da pesquisa afirmaram que largar o controle era uma das maiores fontes de excitação.

3. Posições e locais inusitados

Escapar da rotina sexual é uma das maiores fantasias entre as pessoas. Alterar as posições tradicionais na cama é um fator de excitação importante, sendo o posicionamento do “cachorrinho” o mais requisitado entre os homens.

Ambos os sexos também fantasiam com seus parceiros estando “no topo” durante a transa. Além disso, locais públicos como escritórios, elevadores e parques são muito cobiçados na hora do sexo, pois aumentam o senso de aventura e adrenalina durante o ato sexual.

4. Observar seu parceiro transando com outros

Estudiosos descobriram que quando as pessoas estão em um relacionamento, elas desejam ter sexo com outras, desde que seu parceiro esteja ciente e aprove. Menos de 1% dos participantes fantasiava com a traição, porém, sentiam-se excitados com a ideia de compartilhar o parceiro.

79% dos participantes do sexo masculino sentiam o desejo de ter um relacionamento aberto, contra 62% das mulheres que almejavam o mesmo. Além disso, 58% dos participantes afirmaram que sentiriam prazer em ver seus parceiros transando com terceiros, sendo o fetiche mais comum entre os homens.

5. Transar com pessoas do mesmo sexo

No caso de indivíduos heterossexuais, transar com pessoas do mesmo sexo é um desejo erótico secreto. Torna-se um segredo por conta do machismo e da LGBTfobia, fatores que que reprimem muitos de expressarem e colocarem em prática todas suas fantasias.

59% das mulheres que se definem como heterossexuais afirmaram que fantasiam em ter sexo com outras mulheres. Já entre homens heterossexuais, o número cai para 26%. Um fato interessante, é que muitos homens apresentam fetiches em serem vestidos de mulher por suas parceiras.

Entretanto, nenhuma mulher na pesquisa sentiu-se excitada pelo fato de serem “masculinizadas” por um homem. Além disso, um a cada três homens fantasia em transar com um transsexual.

6. Sexo com amor

A maioria dos participantes da pesquisa (70%), afirmou que raramente fantasiavam com sexo sem emoção ou sentimentos. Na verdade, uns dos principais fetiches para muitos é sentir-se extremamente desejado e amado. Sentir-se sexualmente habilidoso e irresistível também é um fator importante para ambos os gêneros.

Não se sinta culpado

Não reprima seus desejos sexuais, pois eles fazem parte de sua identidade. 96% dos participantes têm fetiches, porém, poucos deles compartilham seus desejos eróticos com os parceiros.

“Sentir-se anormal ou estranho é um dos fatores que mais bloqueiam as pessoas, fazendo com que elas desenvolvam uma ansiedade que é disruptiva para suas vidas sexuais”, afirma Lehmiller. Para o autor do estudo, as pessoas devem conversar mais sobre esses assuntos, para que seja possível livrar-se dos tabus acerca do sexo e suas diversas manifestações.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!