Um executivo da empresa CrossFit, da Califórnia, nos EUA, foi demitido após publicar tuítes homofóbicos sobre eventos de comemoração do Orgulho LGBT.

Russell Berger (foto abaixo), chefe da área de conhecimento da empresa, parabenizou uma unidade da CrossFit em Indianapolis por cancelar seu treino especial do Dia do Orgulho LGBT. Em um e-mail para seus clientes, a unidade disse que o evento foi cancelado porque a empresa “valoriza o bem-estar e a saúde, e o evento não faz isso”.

De acordo com a FOX 59, um cliente respondeu ao e-mail, pedindo esclarecimentos, e a resposta da CrossFit foi: “Nós acreditamos que a saúde de verdade só pode ser encontrada com humildade, não orgulho. Humildade é se ver como você é, e como Deus te define. Como empresa, escolheremos implantar nossos recursos para esses esforços e causas que se alinham com nossos próprios valores e crenças”.

Berger então tuitou seu apoio aos donos da academia. “Como alguém que pessoalmente acredita que celebrar o ‘orgulho’ é um pecado, eu gostaria de encorajar o CrossFitInfiltrate por manter suas convicções e se recusar a realizar um treino temático”, disse. Após algumas críticas, ele chegou a chamar as pessoas que estavam contra sua opinião de “uma ameaça existencial para a liberdade de expressão”.

Os tuítes foram apagados após a repercussão, mas não antes de muitos internautas terem tirado prints das mensagens LGBTfóbicas. Em seu perfil oficial do Twitter, a CrossFit publicou que Berger havia sido afastado do trabalho sem direito a salário até que fosse feita uma investigação completa.

Horas depois, o próprio Berger respondeu ao tuíte, dizendo que havia sido oficialmente demitido. A CrossFit confirmou a informação depois. “CrossFit é uma comunidade diversa em todas as frentes, e é isso o que nos torna mais fortes. Não importa quem você é, como você cresceu, no que você acredita ou em quem ou como você ama – nós estamos orgulhosos de você”, tuitou a empresa.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!