Integrante mais recente da lista de candidatos e candidatas LGBTI, que assinam termo de apoio à causa gay, o pastor evangélico Cristoffer Zilotti, de 30 anos, que é gay assumido, pretende lançar sua candidatura ao cargo de deputado estadual nas eleições de 2018.

Primeiro ‘pastor gay’ a lançar uma candidatura no País, o paranaense assinou na quarta-feira passada um termo de compromisso e passou a integrar a lista elaborada pela Aliança Nacional LGBTI. Filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB-PR), Zilotti afirma que foi incentivado pela legenda a lançar candidatura. Ele tem causado polêmica nos últimos anos por aliar discurso evangélico ao ativismo gay. Cristoffer é fundador da ‘primeira Igreja da Teologia Inclusiva de Curitiba’, a Comunidade Cristã Abraça-me.

A iniciativa de criar a igreja lhe rendeu destaque entre o público gay com crença religiosa, mas também o tornou alvo de inimigos. Isso fez com que pensasse duas vezes antes de lançar-se na política. Embora seja estimulado pelo partido, de olho em seu potencial de votos, o pastor afirma que recebe ataques diários de conservadores. “Ataques recebo todos os dias, por ter uma igreja que prega que a homossexualidade não é pecado e a bíblia não condena. Minhas redes sociais recebem todos os dias criticas dos tradicionais religiosos, me condenado ao inferno, me ofendendo, o amor cristão é lindo de ver baseado em ódio e preconceito e destilação de palavras ofensivas”, conta.

O pastor conta que integrantes de igrejas não admitem sua postura. “Inclusive ano passado debati ao vivo na TV Band contra um pastor evangélico ‘homofóbico’ que defendia a cura gay, onde recebi vários ataques de membros destas igrejas. Até durante o programa a produção teve que filtrar pois eram dezenas de mensagens de cristãos destilando preconceitos”, critica.

Cristoffer, que é formado em Teologia, Comércio Exterior e está no 5o período do curso de Psicologia, atualmente trabalha na Petrobrás, em Araucária, Região Metropolitana de Curitiba, onde é funcionário concursado. Ele afirma que sua candidatura à Assembleia Legislativa é naturalmente em defesa de LGBTI. “Na verdade sou gay, então a minha bandeira é LGBTI, mas também inclui todas as minorias, como movimento feminista, negros, etc”, destaca.

Inaugurada em 2014, no antigo Hotel Garden Curitiba, a igreja fundada por Cristoffer prega que a Bíblia não condena o amor e que todos devem amar ao próximo. Com esse mote, sua campanha espera revelar parcela do eleitorado que talvez não tenha sido explorada, a dos gays religiosos. “Não posso focar só neles. A minha candidatura foca muito também em transexuais, porque estão na vida da prostituição por não conseguirem empregos. Em sofri preconceito no trabalho, na faculdade, onde não sentavam na mesma mesa que eu… Mas da minha igreja surgiram cinco igrejas e que estão sempre lotadas. (Meu eleitorado) é o público em geral, não só o cristão. Não é uma bandeira da igreja. Nã podemos misturar religião. O Estado é laico”, defende.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!