A Asus anunciou nesta segunda-feira (23) o smartphone Zenfone Max Pro M1. O aparelho vem com sistema Android sem grandes modificações em relação ao que foi concebido pelo Google, diferentemente do que a fabricante sempre fez com a sua interface personalizada ZenUI.

O foco do smartphone é a duração da bateria. Para isso, a Asus colocou o componente com a maior capacidade da categoria: 5.000 mAh. Com tecnologia de recarga rápida, o M1 pode ir de zero a 100% de bateria em duas horas e meia, quando conectado à tomada com um carregador compatível. Vale notar que a rival Motorola anunciou o Moto E5 Plus no mercado brasileiro também com bateria de 5.000 mAh.

O Zenfone Max Pro M1 será vendido na Índia por 10.999 rúpias–algo 570 reais–na versão que tem processador Snapdragon 636, 4 GB de memória RAM, 32 GB de espaço de armazenamento, tela Full HD de 6 polegadas e câmeras de 13 e 5 megapixels (traseira, dupla) e 8 megapixels (frontal, simples). Na versão de 12.999 rúpias (670 reais, em conversão direta), ele tem 4 GB de RAM e 64 GB de espaço. Há ainda uma terceira edição, de 14.999 rúpias (775 reais), que tem 6 GB de RAM.

Todos os aparelhos têm sistema Android 8.1 Oreo. Vale lembrar que executivos da Asus já disseram em apresentações no Brasil que o “Android puro” tem menos recursos do que a ZenUI e, por isso, considerava sua interface melhor.

Assim como os novos Moto G6, os produtos da Asus têm telas com proporção 18:9, em vez de 16:9, para que o espaço frontal seja aproveitado ao máximo, reduzindo o tamanho das bordas. Essa tendência foi puxada por fabricantes como LG e Samsung, no ano passado.

Ainda não há previsão de lançamento do Zenfone Max Pro M1 no Brasil. Nos últimos anos, a maioria dos lançamentos de celulares da Asus aconteceu no segundo semestre.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!