Pelo visto, alguém resolveu tirar proveito da tal da “cura gay”. O caso aconteceu no Canadá e virou um processo na justiça. O Dr. Melvyn Iscove, de 72 anos, membro da Escola de Físicos e Cirurgiões de Ontário, considerado conservador e praticante da “terapia que prometia curar gays da sua homossexualidade”, foi condenado por abusar sexualmente dos seus pacientes.

Pois é, tudo começou após o médico ser denunciado por uma das vítimas abusadas. Quando a promotoria foi investigar, surgiram mais dois casos em que o doutor foi acusado de praticar sexo anal, oral e de masturbar os pacientes.

“Todas as vítimas afirmaram acreditar no momento, que a atividade sexual proposta era parte da terapia, uma tentativa de curá-los da homossexualidade envolvendo o ato em si”, afirmou o comitê investigativo em nota.

Ah, e outro detalhe: o profissional ainda responde a outro processo por “conduta inapropriada em banheiro público’, porque foi flagrado com “a boca na botija”, se é que você me entende? No entanto, mesmo assim, ele continua negando as acusações.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!