Por algum motivo, os cientistas se amarram em fazer pesquisas sobre o comportamento masculino. Eles já conseguiram comprovar, por exemplo, que homens se arriscarem mais — e de forma besta — do que as mulheres, os solteiros raramente trocam as roupas de cama, que nós entendemos o “eu te amo” de forma diferente do que as meninas e que é possível determinar se um homem é inteligente ou não só de observar seu rosto.

Tá achando loucura? Mas tem mais. De acordo com Eric Baker, da revista Time, o que não faltam por aí são estudos científicos relacionados com os rapazes, conforme você pode conferir nos cinco exemplos que reunimos para você logo abaixo:

1 – Ser muito bonito e rico pode não ser tão positivo

Um estudo, feito com mulheres, apontou que elas parecem não estar muito inclinadas a criar vínculos duradouros com homens que sejam muito bonitos e ricos. Será que isso acontece com os gays também? Bom, mas segundo os pesquisadores, isso se deve ao fato de elas confiarem menos e acreditarem que esses sujeitos são mais propensos a abandonar os relacionamentos. Além disso, ao lado de parceiros muito atraentes e bem-sucedidos, elas se sentem menos desejáveis.

E já que estamos no assunto de homens bonitos, a boa aparência física também parece afetar os casamentos de maneira negativa. Outro estudo revelou que homens muito atraentes parecem estar menos satisfeitos com suas esposas, especialmente quando elas são consideradas menos belas que seus parceiros.

2 – Socar coisas faz os homens se sentirem melhor

De acordo com três experimentos, demonstrações de agressividade fazem parte do comportamento masculino e ajudam a restaurar seu status de “macho”, especialmente quando esse estado é ameaçado de alguma forma.

Segundo dois dos estudos, homens cuja masculinidade era desafiada tendiam a apresentar mais demonstrações de hostilidade ou procurar atividades mais violentas, como o boxe, por exemplo.

Já o terceiro estudo apontou que essas explosões também servem para reduzir a ansiedade gerada quando a virilidade é questionada, sugerindo que, culturalmente falando, a hombridade é um estado precário que deve ser ativamente — e agressivamente — defendido.

3 – As propagandas fazem os homens parecerem idiotas

De acordo com um levantamento feito nos EUA com 477 anúncios que foram ao ar durante uma semana em vários canais, os rapazes geralmente incorporam personagens tolos focados no humor nas propagandas de TV.

O problema, segundo os pesquisadores, é que, além de engraçados, os rapazes dos comerciais também parecem inadequados e pouco espertos, e essa forma de retratar os homens pode ter importantes implicações no aprendizado (por meio da televisão) sobre os papéis exercidos pelos dois gêneros, o masculino e o feminino.

4 – Diferenças de peso

Aqui nós temos mais uma pesquisa feita com as meninas, mas que é bastante interessante. Diversos estudos apontaram que, quando o assunto é a preferência por mulheres mais cheinhas ou mais esbeltas, a escolha parece estar diretamente ligada ao poder econômico dos homens. Assim, quanto mais abastados são os rapazes, mais magras costumam ser suas parceiras — e vice-versa, ou seja, quanto menos dinheiro um homem carrega em sua carteira, mais curvilíneas são suas pretendentes.

Essa relação foi descoberta durante um experimento que avaliou um grande grupo de estudantes universitários. Para os pesquisadores, as preferências são resultado de uma associação psicológica à privação mesmo, na qual a falta de recursos é vinculada à falta de comida, desencadeando a necessidade por mais calorias e gordura.

Aliás, para comprovar essa hipótese, os pesquisadores foram até um popular restaurante e distribuíram questionários aos convidados — abordando rapazes que estavam chegando e saindo. Pois a análise das respostas revelou que os homens que responderam às perguntas antes de comer (enquanto ainda estavam com fome) preferiam mulheres mais cheinhas, enquanto que os já estavam satisfeitos mostravam mais interesse por magras.

5 – Fácil distração

Uma pesquisa demonstrou que quando as apresentadoras dos telejornais são atraentes, os homens tendem a não se lembrar das notícias que elas apresentaram. E mais: em sua opinião, os rapazes acreditavam que as belas jornalistas eram menos indicadas para apresentar informações sobre assuntos políticos e guerras.

Um fato interessante é que quando o mesmo experimento foi realizado com mulheres, elas não apresentaram qualquer ressalva com respeito aos temas apresentados pelas jornalistas, e inclusive se lembraram de mais notícias dadas pelas apresentadoras mais belas — comparando a profissionais menos atraentes.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!