A edição alemã da revista masculina Playboy trouxe pela primeira em sua capa uma modelo trans – Giuliana Farfalla -, na edição de fevereiro. A revista justificou a escolha como uma contribuição contra a discriminação. Na Alemanha, a iniciativa foi bem recebida por organizações mobilizadas na luta pelos direitos de transgêneros.

De acordo com o Uol, para essas organizações, a iniciativa é um passo importante para a valorização de pessoas cujo gênero não corresponde com o esperado pela sociedade, além de promover a quebra de estereótipos.

“A Playboy dá vários sinais a pessoas trans que não devem ser subestimados: que elas não estão sozinhas, que merecem uma atenção positiva e que estão sendo um pouco menos invisíveis ou vítimas de tabu”, afirmou Leo Yannick Wild, porta-voz da organização TransInterQueer, uma associação política, cultural e de pesquisa sobre transgênero e intersexualidade com sede em Berlim. –

Wild acrescentou que a iniciativa da revista transmite para o público a beleza da diversidade, além de mostrar que pessoas trans devem ser vistas, aceitadas e respeitadas.

A Associação Alemã de Lésbicas e Gays (LSVD) também apoiou a decisão da revista masculina. “A autoconfiança e a visibilidade da autodeterminação de mulheres trans contribui para o questionamento de estereótipos transfóbicos e clichês”, diz o porta-voz da LSVD, Markus Ulrich.

De reality show para a Playboy

Giuliana, de 21 anos, foi a eleita da Playboy para estampar a primeira capa da revista com uma modelo transgênero na Alemanha. A jovem segue os passos da pioneira Caroline Cossey, que se tornou a primeira trans a ser retratada numa capa da publicação masculina, na versão americana em 1981. No Brasil, a modelo trans Roberta Close estampou a capa da Playboy brasileira em maio de 1984.

“Foi uma grande honra ser escolhida pela Playboy”, afirmou Farfalla no vídeo de promoção do ensaio. Ela ficou conhecida na Alemanha após a sua participação no reality show Germany’s Next Top Model, apresentado pela top model alemã Heidi Klum, que busca descobrir entre jovens comuns a nova sensação da passarelas alemãs.

Unser Titelstar der Februar-Ausgabe: Giuliana Farfalla – @giuliana_farfalla Photo: @christophervonsteinbach Einen Dschungelstar wie sie gab es noch nie Playboy-Chefredakteur Florian Boitin: „Giuliana Farfalla mag die erste Transsexuelle überhaupt auf dem Titel des deutschen Playboy sein. In erster Linie ist sie aber eine ganz besondere Frau. Und zugleich ein wunderschöner Beleg dafür, wie wichtig der Kampf für das Recht auf Selbstbestimmung ist. Der deutsche Playboy sieht sich da übrigens ganz in der Tradition von Gründer Hugh Hefner, der sich zeitlebens für die Freiheit des einzelnen stark gemacht hat und entschlossen gegen jegliche Form von Ausgrenzung und Intoleranz eingetreten ist. Und wenn im Jahre 2018 eine nackte Giuliana im Playboy noch ein Tabu berührt, dann spricht das wohl mehr für die Aufgeschlossenheit des Playboy als für die Aufgeklärtheit unserer Gesellschaft.“ @fboitin #playboy #playboygermany #ibes #dschungel #dschungelcamp #ichbineinstarholtmichhierraus

Uma publicação compartilhada por Playboy Deutschland (@playboygermany) em

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!