Apesar de todas as iniciativas que as associações LGBTs fazem, a justiça é lenta diante da rapidez da violência. De acordo com o Mapa dos Assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil em 2017, produzido pela Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais), a cada 48 horas uma pessoa trans ou travesti é assassinada no País.

No ano passado, até o dia 24 de dezembro, 174 pessoas deste perfil haviam sido assassinadas. Destas, 169 eram travestis e mulheres transexuais, além dos 10 casos contra os homens trans. O Mapa aponta que 60% das vítimas tinham entre 16 e 29 anos e que 85% dos casos os assassinatos foram com requintes de crueldade.

Segundo o levantamento, 85% das vítimas desconheciam o assassino. Além disso, o mapa revela que 12% dos agressores foram identificados e 10% destes estão presos.

De acordo com o levantamento da Antra, 52% dos crimes foram cometidos por armas de fogo, seguido por 18% com arma branca e 17% por espancamento, asfixia ou estrangulamento.

Mortes pelo Brasil

Segundo o mapa da Antra, Minas Gerais é o estado que mais mata pessoas trans no Brasil. No ano passado, foram registrados 20 assassinatos na região. Em seguida, aparecem Bahia (17), São Paulo e Ceará, empatados com 16 mortes. Os estados do Rio de Janeiro e Pernambuco também empatam com 14 casos, seguido pelo Paraná (8), Alagoas, Espírito Santos e Tocantins, com 7.

Em Mato Grosso, ocorreram seis assassinatos, enquanto que no Amazonas, Goiás, Rio Grande do Sul e Santa Catarina foram 5 mortes. O Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Sergipe registraram duas mortes cada. E no fim do ranking aparecem Acre, Amapá, Piauí, Rio Grande do Norte e Roraima com uma morte para cada região.

Se considerarmos a quantidade de mortes proporcionalmente à população, o ranking muda completamente. O estado da Paraíba passa para o primeiro lugar, 10 casos para 2,5 milhão habitantes. Em seguida aparecem Alagoas (7 casos, 2,02 / milhão), Tocantins (3 casos / 2,0 milhão), Ceará (16 casos, 1,77 / milhão), Espírito Santo (7 casos, 1,75 / milhão).

 

 

 

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!