Há muito se fala sobre a importância do colágeno como substância responsável por garantir a firmeza da pele e, consequentemente, sua aparência jovem e saudável. Também é sabido que, após os 25 anos, existe uma diminuição progressiva na produção de colágeno pelo organismo, essa redução é estimada em 1% ao ano. Além da perda natural, diversos fatores contribuem para acelerar esse processo, como: o tabagismo, stress, consumo de álcool, consumo excessivo de açúcar, poluição, baixos níveis hormonais e, principalmente, a exposição ao Sol.

O Sol é um dos grandes vilões do colágeno da pele. “A maioria da população desconhece este fator, mas a radiação UV, emitida pelo Sol, provoca a produção de radicais livres, que, em excesso, leva ao stress oxidativo e alterações irreversíveis na conformação celular. Neste processo, as fibras de colágeno são quebradas, gerando a flacidez da pele, não só do rosto, mas do corpo todo”, explica a dermatologista, Cláudia Peres.

Segundo a médica, em casos extremos, de exposição intensa e por períodos prolongados, a pele pode apresentar um tipo de lesão conhecida como ‘Elastose Solar’. “Neste caso, as fibras de colágeno e elastina apresentam uma degradação profunda, a pele perde sustentação e elasticidade, virando uma placa coriácea (textura semelhante ao couro, que se quebra facilmente), dura e cheia de rugas”, comenta.

Na esperança de repor a proteína perdida, muitos brasileiros estão aderindo ao consumo do colágeno hidrolisado. Porém, segundo Cláudia, os estudos clínicos desenvolvidos até o momento não são considerados conclusivos para determinar sua eficácia na dermatologia.

“Quando esse colágeno hidrolisado entra no organismo, é transformado em aminoácidos. Até o momento não é possível afirmar se esses aminoácidos serão totalmente absorvidos e aproveitados para a produção de colágeno”, comenta.

Tratamentos estéticos

Em contrapartida, a dermatologista explica que diversos tratamentos estéticos vêm apresentando excelentes resultados e são indicados para estimular a produção de colágeno pelo organismo. Desde procedimentos considerados simples, como os peelings de ácido retinóico; até equipamentos sofisticados, como o ultrassom micro e macrofocado, laser e a radiofrequência, que também atuam com esta finalidade.

Além disso, existem os preenchedores à base de ácido hialurônico, que retém água e criam um meio propício para a estimulação da produção da proteína na face; e os bioestimuladores à base de hidroxiapatita de cálcio e ácido polilático, geralmente aplicados no corpo, com ótimos resultados no combate à flacidez.

Mesmo com diversas opções de tratamento para recuperar o colágeno perdido, o mais importante é a prevenção. Neste sentido, os fotoprotetores solares são os maiores aliados de quem deseja uma pele saudável e firme. O ideal é combinar protetor solar com bonés, óculos escuros e roupas com proteção UV.

Existem também algumas substâncias que podem ser ingeridas para potencializar o efeito desses filtros solares. “Elas não substituem os filtros, e sim ajudam a ampliar a proteção, diminuindo os efeitos dos radicais livres, que causam o envelhecimento. Mais do que uma pele bonita, a pessoa vai conquistar uma pele saudável, minimizando o risco de patologias graves, como queimaduras ou câncer de pele”, finaliza Cláudia.

Para identificar as melhores formas de tratamento, é recomendado consultas regulares com o dermatologista para avaliar a melhora e indicar o tempo de uso mais adequado.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!