A comunidade LGBT está sendo alertada, segundo o site The Guardian, para que tomem cuidado com suas expressões de carinho durante a Copa do Mundo de Futebol que será sediada pela Rússia em 2018.

De acordo com a publicação, a rede Fare (Football Against Racism in Europe) fará uma cartilha explicativa de como os torcedores LGBT deverão se comportar no País.

Embora ser gay não seja ilegal na Rússia, existe uma lei que proíbe o ensino sobre a homossexualidade nas escolas e há numerosos casos em que os homossexuais de países estrangeiros foram atacados devido à sua sexualidade .

Piara Power, diretor executivo da Fare, disse que a mensagem é a mesma para os gays, negros e de minorias étnicas: “Vá para a Rússia, mas seja cauteloso”. Fotografia: Tom Dulat / Fifa via Getty Images
Piara-power-superpride

Segundo Piara Power, diretor executivo da Fare, “o manual aconselha os homossexuais a serem cautelosos em qualquer lugar, no qual a comunidade LGBT não é bem-vinda. A mesma mensagem é dirigida a pessoas de cor negra, assim como a minorias étnicas. Se os adeptos homossexuais passearem pela rua de mão dada deverão enfrentar os perigos que essa ação acarreta. Depende da cidade e da hora do dia”.

A Fare também escreveu à Fifa em nome de dois grupos LGBT da Grã-Bretanha e da Alemanha para pedir permissão para colocarem uma bandeira do arco-íris dentro dos estádios durante a Copa do Mundo, que começa em junho do próximo ano. Embora as exibições políticas sejam banidas dentro dos estádios, entende-se que as bandeiras do arco-íris não fazem parte de qualquer exibição política e podem ajudar na conscientização da população.

 

 

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!