Padre Fábio de Melo está envolvido em uma polêmica. Acontece que alguém, intencionalmente, tentou associar a imagem do religioso a um texto com conteúdo altamente homofóbico, que já foi compartilhado milhares de vezes no Facebook.

No entanto, procurado pelo jornal Extra, o Padre negou, de forma categórica, a autoria do texto ofensivo. “O autor deste texto não sou eu”,  afirmou.

Pois bem, leia você mesmo o conteúdo desse texto absurdo:

Vivemos numa época onde querem que os padres se casem e que os casados se divorciem. Querem que os héteros tenham relacionamentos líquidos sem compromisso, mas que os gays se casem na Igreja. Que as mulheres tenham corpos masculinizados e se vistam como homens e assumam papéis masculinos. Querem que os homens se tornem ‘frágeis’ e delicados e com trejeitos, como se fossem mulheres. Uma criança com apenas cinco ou seis anos de vida já tem o direito de decidir se será homem ou mulher pelo resto da vida, mas um menor de dezoito anos, não pode responder pelos seus crimes.

Não há vagas para os doentes nos hospitais, mas há o incentivo e o patrocínio do SUS para quem quer fazer mudança de sexo. Há acompanhamento psicológico gratuito para quem deseja deixar a heterossexualidade e viver a homossexualidade, mas não existe nenhum apoio deste mesmo SUS para quem deseja sair da homossexualidade e viver a sua heterossexualidade e se o tentarem fazer, é crime. Ser a favor da família e religião é ditadura, mas urinar em cima dos crucifixos é liberdade de expressão.

Isso é doença mental, uma esquizofrenia social. Bem pior do que a síndrome que eu passei

 

Sem dúvida alguma, quem precisa se tratar, é quem escreveu está mensagem absurda, espalhando intolerância e ódio. Ou quem acredita e compartilha destes ideais. Nunca se esqueça, caro autor deste texto criminoso: de acordo com o cristianismo que você mesmo acredita, só quem pode julgar o próximo é Deus.  Ou você só lê as partes que lhe são convenientes?  Sua “doença”, certamente, se chama infelicidade e hipocrisia.

E pra você, caro leitor, que acredita em um mundo de paz e igualdade, em que todos possamos viver em harmonia com nossas diferenças, me faz um favor? Compartilhe está mensagem!

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!