Se você é muito ciumento e se orgulha disso, pare agora, porque tá feio: o medo aliado a agressividade e desconfiança gerado dentro de um relacionamento só faz mal. E muito mal.

A maior característica de uma pessoa ciumenta é o medo de perder a si próprio, perder a sua dignidade, perder o seu “valor”. Quando a confiança e a autoestima são depositadas no outro, o outro começa a ser tratado como objeto para sua própria satisfação e, desta forma, você acaba desrespeitando-o como indivíduo, pois está lançando sobre ele uma carga que ele não foi projetado para suportar.

Quem sente ciúme o sente em relação a uma terceira pessoa ou elemento. O ciumento sente-se ameaçado pela existência de um terceiro elemento, com quem “disputa” a exclusividade do cônjuge. E é aí que mora o problema.

Para que nada seja destruído, porém, é preciso aprender a dominar este sentimento. E primeiro, é interessante buscar entender que absolutamente normal sentir ciúme em certas ocasiões quando há motivo real.

A partir daí, responda a si mesmo: você se controla? Você dá escândalo? Ou você age com agressividade? A autoanálise te ajuda a identificar se esse ciúme é normal ou anormal. E se for normal, você manterá o equilíbrio e esperará o momento certo para dialogar com o seu cônjuge com honestidade sobre os seus sentimentos.

Lembre-se sempre: um ataque de ciúmes nunca vai resolver qualquer que seja a situação. Pelo contrário: vai acabar piorando o relacionamento. Pés no chão, e tenha a certeza de tudo ao seu redor antes de tomar qualquer atitude precipitada.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!