Apesar de estar marcada para acontecer no próximo dia 15 de outubro, a 22ª edição da Parada do Orgulho LGBT de Copacabana, no Rio, está sem dinheiro para arcar com os custos de trios elétricos e atrações artísticas.

A situação, que também afetou a 17ª Parada do Orgulho LGBT de Madureira (seria em 16 de julho, mas por falta de recursos, foi adiada para 26 de outubro) vai resultar em… protesto.

Segundo o Grupo Arco-Íris, organizador do evento, sem arrecadações, a marcha terá somente bandeiras, faixas e cartazes, o que mantém a reivindicação pelo respeito à diversidade.

Autorizada pela Prefeitura do Rio de Janeiro no ano passado a captar recursos privados de apoiadores, a Parada LGBT de Copacabana conseguiu cerca de R$ 57 milhões em renúncia fiscal para todos os projetos deste ano. Porém, ainda existem pendências – e um déficit de R$ 500 mil para que ela possa acontecer nos moldes dos últimos anos.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!