Saúde

Smartphones estão reduzindo o uso de drogas entre jovens, revela estudo

Segundo um estudo do National Institute on Drug Abuse, nos Estados Unidos, foi encontrada uma redução no uso e na experimentação de substâncias tóxicas nos últimos anos e a tecnologia pode ser um dos fatores que contribuíram para isso.

Nora Volkow, diretora do instituto, revelou que o uso de drogas ilícitas além da maconha atingiu o nível mais baixo em 30 anos entre jovens, e o da própria maconha também decaiu em relação aos últimos dez anos.

E isso é estranho porque, na análise dos cientistas, teria que ser o inverso: há uma aceitação cada vez maior de algumas dessas drogas, incluindo o álcool, sem contar a ascensão de substâncias sintéticas entre os jovens.

Para Volkow, existem duas as hipóteses no ar. Na primeira, os adolescentes estão usando drogas em menor quantidade porque estão constantemente entretidos e estimulados por computadores, smartphones e outros aparelhos. A tecnologia ser uma alternativa que desperta sensações parecidas ou que causam um bem-estar a ponto de fazer com que o consumo dessas substâncias seja ignorado.

“Jogar games e usar redes sociais preenche a necessidade da busca por sensações, a necessidade de buscar atividades inéditas. Mas isso ainda precisa ser provado”, disse ao jornal a doutora Silvia Martins, uma especialista em uso de drogas da Universidade de Columbia, nos EUA.

A segunda e menos provável é que o tempo gasto com esses aparelhos está consumindo um período antes usado para festas e reuniões em que o consumo de drogas era mais frequente. Porém, a pesquisadora sabe que tudo ainda não passa de uma hipótese e estudos a serem realizados nos próximos meses vão ou não confirmar essas teorias — embora acredite que o cruzamento desses dados dificilmente é só uma coincidência.

Veja também:

Comentários

Sobre o autor

Nelson Sheep

Nelson Sheep

Editor-chefe no Superpride, youtuber, editor, produtor e diretor do canal Põe na Roda. Formado em Rádio e TV pela Universidade Anhembi Morumbi, trabalhou com jornalismo econômico por 6 anos e fugiu para o mundo dos blogs para estimular o pensamento dos outros. É um ouvinte de primeira.