Fitness

Assistir filmes de terror queima calorias e ajuda a emagrecer, revela estudo

Aposto que você ficou super desconfiado na hora de clicar nessa matéria, afinal, perder peso, seja por razões estéticas ou questões de saúde, não é nada fácil. No entanto, uma pesquisa realizada pela Universidade Nottingham Trent, com parceria com Universidade Coventry, ambas do Reino Unido, revelou algo que pode quebrar esse dogma: assistir filmes de terror pode ajudar na perda de peso e aumentar a imunidade do corpo.

Em entrevista ao jornal britânico Daily Mail, o professor e psicólogo Mark Griffiths, responsável pelo estudo, explicou o principal fundamento da descoberta: “Está relacionado ao fato de ser uma experiência que jamais teríamos no nosso cotidiano. A catarse resulta na liberação de emoções que costumamos reprimir”.

Os cientistas avaliaram amostras de sangue de voluntários antes, durante e depois de assistirem um filme de terror. Eles relataram que os níveis de glóbulos brancos, geralmente impulsionados em resposta à infecção, foram aumentados.

“Esse é o resultado de um processo de anos de evolução em busca da sobrevivência”, explicou a imunologista da University College of London Natalie Riddell. “Assistir a obras do tipo faz você ativar duas respostas possíveis: lute ou fuja, o que acaba liberando bastante adrenalina”, explicou a pesquisadora.

Desta forma, a liberação de adrenalina aumenta as batidas no coração, o que acelera o metabolismo e o consumo de energia, resultando na perda do peso.

Um estudo de 2012 da Universidade de Westminster mediu quantas calorias foram queimadas por voluntários que assistiram a dez clássicos de terror. Em média, cada filme queima 113 calorias, o equivalente a uma caminhada de 30 minutos. Porém, o filme “O Iluminado”, de 1980, pode queimar até 184 calorias.

Veja também:

Comentários

Sobre o autor

Nelson Sheep

Nelson Sheep

Editor-chefe no Superpride, youtuber, editor, produtor e diretor do canal Põe na Roda. Formado em Rádio e TV pela Universidade Anhembi Morumbi, trabalhou com jornalismo econômico por 6 anos e fugiu para o mundo dos blogs para estimular o pensamento dos outros. É um ouvinte de primeira.