Séries

“Skam”, série norueguesa se torna a nova sensação entre os adolescentes

Todo mundo adora parar a vida para assistir uma boa série. Séries com histórias medievais, como “Game Of Thrones“, ou pouco prováveis como “The Walking Dead“, e “The Vampire Diaries” fazem sucesso no mundo inteiro.

Só que agora, uma nova produção vem chamando atenção dos adolescentes. “Skam“, uma série de web e da TV, começou a ganhar um público enorme por contar a vida de muita gente que ainda não virou adulto.

São 3 temporadas até o momento, e nenhuma tem certa ligação, fazendo referência aos episódios de “Black Mirror”, que conta a cada episódio uma história diferente. Criada pela emissora NRK, a série revolucionou a estratégia de marketing usando as mídias sociais. A cada semana, até 6 episódios eram postado na rede, sem horário ou data definidos.

Para se ter uma noção, a série foi feita – originalmente – para divisão infantil da NRK, querendo atrair um novo grupo de jovens ao site da rede. A proporção foi tamanha que a produção foi assistida por 1,2 milhão de visitantes em uma semana.

A terceira temporada é a que mais vem chamando atenção. Nela, acompanhamos a vida do jovem Isak (Tarjei Sandvik Moe), que questiona sua orientação sexual e acaba se apaixonando por um colega de classe, Even (Henrik Holm). A criadora e roteirista da série, Julie Andem de 34 anos, faz questão de representar a importância de aceitar-se a si mesmo primeiro antes de contar para os pais. E é isso que Isak faz. Ele possui pais rigorosos mas mesmo assim revela que é gay. Os dois tem reações que o jovem não poderia esperar.

No começo do mês, no dia 9 (sexta-feira), a XIX Entertainment, a empresa de Fuller, anunciou que a TV estatal norueguesa NRK fará uma versão americana do programa, atendendo pelo nome de “Shame” (vergonha).

A NRK também afirmou que haverá uma quarta temporada. As produções tanto nos Estados Unidos como em Oslo começam ano que vem.

Comentários

Sobre o autor

Lucas Querino

Lucas Querino

Eu ainda olhei pra você, porque a porta tava aberta, e falei: "Eu escrevo pra sites, né", você fez assim. Você confirmou que eu escrevo pra sites! Editor de vídeos, e às vezes eu simulo felicidade.