Turismo

Anac decide que, a partir de março, você terá que pagar por bagagem despachada

Alô viajante! Prepare o bolso porque a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) deu sinal verde para que as companhias aéreas nacionais e internacionais cobrem pelas bagagens despachadas em voo a partir de 14 de março de 2017. Até agora, as empresas eram obrigadas a despachar gratuitamente uma mala de 23 quilos em voos domésticos e duas de 32 quilos em voos internacionais.

De acordo com a decisão da Anac, 35% dos passageiros que voaram em 2015 não despacharam bagagem e essa nova decisão deve impactar principalmente as passagens aéreas promocionais, como já acontece atualmente, por exemplo, nas companhias low-cost (baixo custo) americanas e europeias. Espera-se, no entanto, que as passagens mais caras deem a bagagem despachada como cortesia.

Para o setor, essa cobrança adicional cria uma nova possibilidade de receita auxiliar, em especial às companhias aéreas brasileiras, que enfrentam prejuízos gigantescos desde 2011. Mesmo nesse cenário, a Anac acredita que existe a expectativa de que o preço das passagens seja reduzido.

Intituladas “Condições Gerais de Transporte Aéreo”, as normas preveem ainda alteração sobre bagagens de mão, aquelas levadas dentro da cabine de passageiros. O texto em vigor, de 2000, autoriza que o passageiro entre com cinco quilos a bordo; o novo limite passa a ser de dez quilos. Geralmente, as companhias já permitem que o passageiro leve bagagens acima de cinco quilos e concentram a fiscalização sobre as dimensões da mala.

Comentários

Sobre o autor

Nelson Sheep

Nelson Sheep

Editor-chefe no Superpride, youtuber, editor, produtor e diretor do canal Põe na Roda. Formado em Rádio e TV pela Universidade Anhembi Morumbi, trabalhou com jornalismo econômico por 6 anos e fugiu para o mundo dos blogs para estimular o pensamento dos outros. É um ouvinte de primeira.