No último domingo (12), que deveria ser um dia para celebrar o amor (já que era o famoso dia dos namorados), o mundo se chocou com mais uma tragédia. Omar Matten invadiu a boate gay Pulse, em Orlando, matou 49 pessoas inocentes e deixou mais de 50 feridas no hospital. O motivo? Ele não aceitava o amor entre iguais.

Dias depois, foi revelado que o assassino mantinha um perfil no aplicativo de pegação gay Grindr e o pai do cara confessou que já havia presenciado o filho se descontrolando ao ver dois homens se beijando em Miami.

[mks_button size=”small” title=”Namorados mortos no ataque de Orlando serão enterrados juntos” style=”squared” url=”http://goo.gl/LqKDT6″ target=”_self” bg_color=”#dd3333″ txt_color=”#FFFFFF” icon=”” icon_type=””]

O caso teve ampla cobertura da mídia, centenas de sites publicaram amplas reportagens e, com elas, muitos comentários de ódio e homofobia surgiram: “Ele morreu e não recebeu uma medalha por isso?”, “A família deve sofrer muito quando tem um filho gay”.

O massacre foi pior ataque a tiros da história dos Estados Unidos e é sobre isso que o Põe na Roda vai falar:

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!