Tem coisa pior do que pelo encravado na virilha? Sinônimo de dor e incômodo, eles causam vermelhidão, inchaço e podem deixar lesões horríveis na região. Por isso, a depilação íntima requer alguns cuidados para que a pele permaneça lisinha e bonita.

Segundo dermatologistas, a melhor maneira de evitar pelos encravados é acertando na modalidade de depilação escolhida. Características como tipo de pele e do próprio pelo precisam ser consideradas, como vamos mostrar a seguir.

Como lidar com pelo encravado na virilha

Homens e mulheres que apresentem fios volumosos e grossos são sujeitas à irritação e ao pelo encravado na virilha. Qualquer técnica de depilação que puxe os pelos pela raiz, como é o caso das ceras e dos aparelhos elétricos, pode causar esse problema. Neste caso, o laser é uma boa opção para quem tem tendência à formação de pelos encravados.

As bolinhas avermelhadas e doloridas são resultado da foliculite, a inflamação da área. Esse problema acontece quando o fio não consegue obstruir a camada mais superficial da pele. Essa fraqueza pode ser desencadeada pelo uso frequente de cera para depilação, que arranca o pelo pela raiz.

Calças apertadas também podem causar essas bolinhas. Nesse caso, a inflamação tem origem no atrito com a roupa. Os folículos pilosos podem ser obstruídos pela queratina da pele e, inclusive, ser contaminados por bactérias. Vermelhidão e uma pequena quantidade de pus são observadas, em casos mais graves.

O tratamento para pelo encravado na virilha é dado com cremes de ação antibacteriana e anti-inflamatória. Cosméticos esfoliantes e com ácidos podem ser indicados pelo dermatologista para a prevenção do problema. Já cistos não tratados podem ser drenados e amenizados com o uso de antibióticos.

Cuidados com a depilação íntima

Cada região do corpo reage de uma maneira, quando o assunto é depilação. Virilha, buço e as parte interna das coxas são mais sensíveis e pedem a escolha de métodos suaves. Lâminas, aparelhos de cera em roll-on e utensílios elétricos podem machucar bastante a pele.

A depilação íntima, aquela que elimina os pelos na região do pênis, vagina e do ânus, é ainda mais delicada. Ela pede cuidados de higiene especiais e a escolha de um local adequado para a execução. Todos os materiais utilizados devem ser descartáveis para evitar a contaminação por fungos, vírus e bactérias.

A lâmina é uma ferramenta tão perigosa que deve ser esquecida pra sempre. A visibilidade da região íntima é ruim e pode haver acidentes. Os cremes depilatórios também são arriscados, pois tendem a causar alergias nas mucosas.

O ideal é investir em um método indicado por um médico dermatologista ou ginecologista. Converse com o especialista e encontre a opção mais segura para o seu caso.

Encontrou algum erro no post? Fale pra gente!