ATITUDE

Homofóbicos são gays enrustidos, aponta pesquisa incontestável

Sabe aquele papo de que pessoas homofóbicas são gays enrustidos? Pois é. Em 1996, foi realizada uma pesquisa pelo laboratório do Departamento de psicologia da Universidade da Geórgia, onde foram analisados 64 homens, de 20 anos em média, que se declaravam heterossexuais. Eles foram divididos em 2 grupos.

O primeiro grupo formado por 35 homens classificados como homofóbicos, por terem respondido “sim” a perguntas como “você se sente desconfortável trabalhando ao lado de homossexuais?”, “ficaria nervoso num grupo de homossexuais?” e “se um membro do gênero masculino se insinuasse para você, ficaria furioso?”

O segundo grupo, de 29 homens, foi formado por não-homofóbicos, ou seja, pelos homens que responderam “não” para essas mesmas perguntas que você já leu.

Os homens entravam em uma sala com luz baixa, sentavam numa cadeira confortável e recebiam um pletismógrafo penil (uma argola de borracha recheada de mercúrio líquido), que era colocada ao redor do pênis de cada um deles. Se eles se excitassem, a argola espicharia e o mercúrio mediria essa empolgação.

Em seguida, eles tiveram que assistir 3 filmes de 4 minutos. O primeiro, de sexo entre um homem e uma mulher. O segundo, entre duas mulheres. E por último, o sexo entre dois homens.

pletismografo_sossolteiros

O resultado

Todos os homens se excitaram ao assistir os filmes entre homem e mulher, e de duas mulheres. Porém, ao assistirem o vídeo entre 2 homens, os homofóbicos registraram um aumento no diâmetro do pênis 4 vezes maior que os não-homofóbicos.

Após esses registros, os cientistas perguntaram para cada um se eles haviam tido uma ereção ao assistir o vídeo de sexo entre dois homens. Todos os caras tidos como homofóbicos, disseram que não.

Ou seja, a pesquisa concluiu que, os homofóbicos, ou aqueles que sentem desconforto quanto pensam eu homossexualidade, são homossexuais enrustidos e que não lidam bem com suas próprias características biológicas. Até hoje, a pesquisa nunca foi contestada.

Mas será que eles são gays reprimidos mesmo? O fato é que, pessoas que nascem gays e crescem em um ambiente repressivo, acabam aprendendo a suprimir essa homossexualidade e desenvolvem um sentimento de raiva de si mesmo tão grande, que acabam projetando isso em pessoas bem resolvidas.

Se você ficou interessado, tem um documentário chamado “Outrage” (disponível no Netflix), feito em 2009 pelo diretor Kirby Dick, que fala sobre isso. O filme desmascara a intimidade de políticos norte-americanos ultraconservadores que votavam contra o direito dos homossexuais, e que foram flagrados mantendo relações com pessoas do mesmo sexo.

Aproveitando o ensejo, dá uma olhada nesse vídeo!

Fonte: Mic.com

Comentários

Sobre o autor

Nelson Sheep

Nelson Sheep

Editor-chefe no Superpride, youtuber, editor, produtor e diretor do canal Põe na Roda. Formado em Rádio e TV pela Universidade Anhembi Morumbi, trabalhou com jornalismo econômico por 6 anos e fugiu para o mundo dos blogs para estimular o pensamento dos outros. É um ouvinte de primeira.